dimecres, 3 de juliol de 2013

CRÔNICAS DO INFERNO


A alegria no país onde reina a falácia
provoca uma estranha cegueira nos seus habitantes.
Durante caem as lascas
dos fogos de artifício o pensamento crítico se exila,
os predicadores laicos
param de escrever sermões da razão
e agora só choram dos tronos mediáticos
o playback do discurso dominante
fornecido pelas agências do poder.
Os sorrisos e os risos da gente
justamente no meio da orgia da superficialidade
são a careta apática
duma comunidade insensível que permitiu
que os ladrões pusessem a caverna nos palácios do governo.

Escreves para o silêncio pensando num tempo
em que nos seja devolvida a esperança.
Escreves a crônica dum carnaval de despropósitos 
do inferno que habitas.

Tradução do poema Blai Fuentes Benito. Poema de Manel Alonso i Català.